Resultados
Saiba os resultados
das suas análises
Notícias
Colón Irritável

 

O Síndroma de Cólon Irritável (S.C.I.) é uma patologia crónica que envolve potencialmente todo o tubo digestivo mas cuja sintomatologia se centra fundamentalmente no cólon. Afeta 15% da população geral mas permanece sem uma causa definida, não se tendo identificado alterações anatómicas ou orgânicas que expliquem o seu aparecimento. Surge, por vezes, na sequência de uma diarreia de origem infeciosa.

 

SINTOMAS

A dor abdominal é a queixa que mais frequentemente leva o doente com S.C.I. a procurar cuidados médicos. A importância deste sintoma como alerta para um quadro clínico compatível com S.C.I. é maior se a dor abdominal persistir por 3 meses e não apresentar localização específica. Habitualmente surge com os movimentos intestinais e alivia com a defecação.

 

Considera-se necessária a presença de três dos seguintes critérios em associação aos já mencionados para estabelecimento do diagnóstico de S.C.I.:

 

  • Dificuldade em obrar;
  • Queixas de aumento do volume abdominal e gases;
  • Presença de muco ou secreções nas fezes;
  • Aumento do número dos episódios de ida à casa de banho;
  • Diminuição da consistência das fezes com início das queixas de dor abdominal.

 

Estas queixas aliviam-se com a paragem das contrações intestinais, mas podem voltar se o doente tomar refeições ricas em gordura ou café. O doente com S.C.I. apresenta habitualmente queixas gastrointestinais desde o início da sua vida adulta, de contrário deverá ser excluído o S.C.I.

 

O S.C.I. afeta todo o aparelho digestivo, pelo que, apesar da maioria das queixas se referirem ao cólon, os doentes podem apresentar sintomas com origem noutras partes do tubo digestivo.

 

Outros sintomas habitualmente referidos por estes doentes são as dores de cabeça e queixas urinárias (urgência e aumento do número de episódios de micção). Estes sintomas agravam-se com o aparecimento das queixas intestinais. Muitas mulheres experimentam exacerbações na altura da menstruação, existindo estudos que surgerem a presença de sintomatologia gastrointestinal associada à mestruação em cerca de 50% da população feminina.

 

Apenas uma pequena propoção de doentes com S.C.I. recorre ao médico com queixas do foro gastrointestinal (G.I.). Um número significativo de doentes surge com quadro de depressão ou relacionado com stress, podendo por vezes ser dificíl "discernir" as queixas do foro G.I.

 

 

TERAPÊUTICA:

Apesar de muitas vezes se encontrarem quadros clínicos arrastados e, com graves limitações para a vida, poderá obter-se um alívio significativo das queixas com um esquema terapêutico adequado.

 

  • Deve reduzir-se o nível de stress no dia-a-dia, quer em termos profissionais quer sociais.
  • Deve iniciar-se um esquema dietético com reforço de fibras na dieta e limitar alimentos que aumentem o conteúdo gasoso intestinal (cebola, feijão, bróculos, couve) ou que o doente relacione com o agravamento dos seus sintomas.
  • Deverá promover-se a regularidade no horário das refeições. Evitar mascar pastilhas e bebidas gaseificadas.
  • Se existir intolerância a leite e seus derivados de forma geral ou a outras substâncias deverá adaptar-se a dieta a estas circunstâncias.
  • Todas as alterações a fazer no seu regime alimentar deverão fazer-se gradualmente para permitir a adaptação do seu organismo.
  • O tratamento farmacológico poderá aliviar as suas queixas sobretudo se persistentes, devendo ser sempre efectuado com vigilância médica.